quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Concurso "Momentos de Leitura"

Os livros ajudam-nos a ler o mundo.


O grupo interconcelhio das bibliotecas escolares de Portimão e Monchique abriu o concurso "Momentos de leitura". Este concurso está a ser desenvolvido em parceria com os professores de Português do 2º, 3º ciclos e secundário e com os professores do 1º ciclo que lecionam 3º e 4º anos.


terça-feira, 6 de novembro de 2012

Eis um pequeno excerto de uma comovente cena da Ilíada. Não se sabe ao certo se existiu algum Homero, mas existiu um poeta que, há três mil anos, em poucas palavras soube colocar múltiplas reflexões sobre a vida e a morte, a liberdade e a escravidão, a a glória, o dever, as coisas mais importantes da vida, a excelência e várias formas de amor. É a última vez que Heitor está com a mulher e o seu pequeno filho. O narrador sabe-o, mas os personagens não. No entanto, Heitor assume que este momento, em especial, pode bem ser o seu último momento, e assume toda a responsabilidade de alguém que, podendo morrer, quer morrer bem e deixar na terra uma memória digna.


«...A ela respondeu o alto Heitor do elmo faiscante:
"Todas essas coisas, mulher, me preocupam; mas muito eu me
envergonharia dos Troianos e das Troianas de longos vestidos,
se tal como um cobarde me mantivesse longe da guerra.
Nem meu coração tal consentia, pois aprendi a ser sempre
corajoso e a combater entre os dianteiros dos Troianos,
esforçando-me pelo grande renome de meu pai e pelo meu.
Pois isto eu bem sei no espírito e no coração:
virá um dia em que será destruída a sacra Ílion,
assim como Príamo e o povo de Príamo da lança de freixo.
Mas não é tanto o sofrimento futuro dos troianos que me importa,
nem da própria Hécuba,nem do rei Príamo,
nem dos meus irmãos, que muitos e valentes tombarão
na poeira devido à violência de homens inimigos --
muito mais me importa o teu sofrimento, quando em lágrimas
fores levada por um dos Aqueus vestidos de bronze,
privada da liberdade que vives no dia a dia...
(...)
E alguém falará assim ao ver as tuas lágrimas:
'Esta é a mulher de Heitor, que dos Troianos domadores de cavalos
era o melhor guerreiro, quando se combatia em torno de Ílion.'
Assim falará alguém. E a ti sobrevirá outra vez uma dor renovada,
pela falta que te fará um marido como eu para afastar a escravatura.
Mas que a terra amontoada em cima do meu cadáver me esconda,
antes que oiça os teus gritos quando te arrastarem para o cativeiro."

Assim falando o glorioso Heitor foi para abraçar o seu filho,

mas o menino voltou para o regaço da ama de bela cintura
gritando em voz alta, assarapantado pelo aspecto de seu pai amado
e assustado por causa do bronze e da crista de crinas de cavalo,
que se agitava de modo medonho da parte de cima do elmo.
Então se riram o pai amado e a excelsa mãe:
e logo da cabeça tirou o elmo o glorioso Heitor,
e depo-lo, todo ele coruscante, no chão da casa.
De seguida beijou e abraçou o seu filho amado...»

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Retórica



 As razões das turbulentas relações entre a retórica e a filosofia

Retórica: “Arte de utilização da linguagem para persuadir ou influenciar os outros. Embora a retórica se encontre aparentemente em oposição ao ideal filosófico da procura exacta da verdade, a conciliação dos dois surgiu por vezes como algo desejável (...).”
[Simon BLACKBURN — Dicionário de filosofia, Lx., Gradiva, 1997, p. 386].

De uma forma mais comum, podemos entender a retórica em pelo menos um destes sentidos:
a)     Capacidade de compor um discurso, oral ou escrito (organização do texto).
b)    Arte de bem falar (apresentação do texto).
c)     Discurso típico de um determinado contexto ou área de pensamento (ex.: “a valorização da família e da pátria ou a condenação do socialismo e da democracia são típicas da retórica do estado Novo…”)
d)    Discurso persuasivo
Durante muito tempo, a retórica foi considerada uma arte pouco honesta, por estar associada e esta última acepção e por ser frequente a sua utilização para fins pouco honestos — por políticos demagogos, por vendedores sem escrúpulos… Por isso, acabou por ser uma arte marginal, cujos estudos foram sempre considerados como secundários.
Porém, durante o século XX, o estudo da retórica foi recuperado por académicos que estudavam a comunicação (por exemplo, Roman Jakobson, Shannon & Weaver, Dell Hymes, C. Perelman), quer como área da linguística, quer como área de interesse dos estudos de psicologia, sociologia, antropologia, gestão ou publicidade: conhecer e dominar as variáveis da comunicação é ter maior controlo sobre a eficiência e a eficácia dos processos comunicativos e dos processos humanos (relacionais=psicossociais) que lhe estão associados.

Sofistas: ninguém tem nem pode alcançar o conhecimento absoluto; o que interessa é persuadir
A arte da retórica começou por ser estudada como uma técnica pelos sofistas. Estes eram professores itinerantes que cobravam por ensinar aos seus clientes a arte de bem falar, fosse para ganhar causas e eleições, fosse para brilhar perante os outros. Ganhar o favor do público era o principal objectivo, e houve quem defendesse o uso de técnicas trapaceiras para o conseguir. Alguns desses sofistas desenvolveram teorias sobre a verdade e conhecimento que legitimavam o seu trabalho. Para começar, assumiam-se como cépticos: por exemplo, o sofista Protágoras defendia que ninguém pode deter o conhecimento absoluto e que, mesmo que tenha a verdade na mão, não tem maneira de provar que essa e apenas essa é a verdade.
“No que respeita aos deuses, não tenho meios de saber se existem ou não, nem de que forma são, pois existem muitos obstáculos para chegar a esse tema, incluindo a obscuridade do tema e a brevidade da vida humana”
“O homem é a medida de todas as coisas”
(Protágoras, citado por W.K.C. GUTHRIE in Os filósofos gregos de Tales a Aristóteles, Lx, Ed Presença1987, p. 57)
Se chegámos à verdade através dos sentidos, não podemos tirar conclusões universais e absolutas; se partimos de teses universais, não conseguimos encontrar factos suficientes para as comprovar. Assim, se não se pode saber ao certo o que é verdadeiro, ninguém pode dizer que possui conhecimento. Logo, o importante é ter o discurso (ou teoria, ou opinião) mais persuasivo.

Platão: a procura da verdade é uma obrigação moral
Estas posições acerca da verdade e do conhecimento valeram aos sofistas a desaprovação de vários filósofos, começando por Platão, que recusou a ideia de que é indiferente o que defendemos, desde que convençamos o público:
“Platão trata-os em geral como charlatães que falavam unicamente para alcançar a vitória. Na verdade, a atitude geral dos sofistas não parece ter sido muito diferente da de Sócrates [, que Platão idolatrava]”
[S. BLACKBURN — Dicionário de filosofia, Lx., Gradiva, 1997, p.413].
Platão defendia que a virtude é conhecimento e que o conhecimento é virtude: conhecer o bem obriga-nos a escolher praticá-lo. Quem pratica o bem de uma forma constante e segura é alguém que o conhece. Se não pudermos saber o que é o bem, ou seja, se não pudermos ter conhecimentos seguros ao nível da moral, da política, da forma como devemos viver as nossas vidas ou da excelência dos seres humanos (excelência = aretê: a forma de ser perfeita), então é impossível atingir a paz social, uma sociedade harmoniosa e uma mente equilibrada e segura de si. Qualquer um se sentirá legitimado para fazer o que entender. Ora, Platão defendia que essa é uma posição é inaceitável. Por isso, seria necessário supormos a existência de verdades absolutas e empenharmos as nossas vidas a procurá-las.

Aristóteles: “A retórica é útil, porque sem ela a verdade pode ser derrotada num debate”
Aristóteles, que parecia ser um sujeito cheio de bom-senso, ponderou os argumentos de Platão e os dos sofistas. Platão, seu mestre, tinha razão quanto à necessidade de encontrar algo em que se pudessem ancorar a ética e as leis. Todavia, a sua crítica ao trabalho dos sofistas era cega, ao ponto de não se aperceber de duas coisas fundamentais:
a) que ele próprio, Platão, utilizava muitas das técnicas dos sofistas (o seu amigo Sócrates chega a ser retratado como um sofista na comédia As nuvens de Aristófanes);
b) que as técnicas e os estudos desenvolvidos pelos sofistas eram preciosos para qualquer atividade humana que envolvesse comunicação e transmissão de ideias.
Estes estudos procuravam identificar e controlar os factores dos quais depende o sucesso da comunicação em geral, quer se trate de falar para uma assembleia, quer se trate de escrever um tratado científico. Apesar de haver pessoas que utilizam a retórica para fins desonestos, esta arte deveria ser cultivada.
Mantendo-se dentro da sua formação filosófica, Aristóteles elaborou o seu próprio tratado sobre retórica (para além de ter elaborado outros sobre lógica, que o completavam). Nele identifica dois provas ou meios de persuasão:
1)     A forma lógica — é um meio não técnico ou artístico, no sentido em que não se socorre da arte do orador para levar o público a uma determinada conclusão. Em vez disso, socorre-se de raciocínios bem formados e de provas materiais, testemunhos, documentos ou acordos escritos (aquilo a que, de uma forma geral, chamamos de argumentos lógicos e de argumentos baseados em factos ou em princípios morais consagrados). (36)
2)     A emoção e o caráter — é um meio que depende da perícia do orador para arrastar o público com o seu carisma, ou seja, para o cativar emocionalmente.
A arte retórica, entendida como arte de compor um discurso destinado a um determinado público, incide sobre os meios artísticos da persuasão. Os meios artísticos de persuasão são três, ethos (derivados do caráter do orador), logos (derivados da emoção despertada pelo orador nos ouvintes) e pathos (derivados de argumentos verdadeiros ou prováveis), e correspondem a três grandes fatores ou grupos de fatores dos quais depende o sucesso do discurso    (41)
§  Ethos (corresponde ao emissor de Roman jakobson e à função expressiva da linguagem). É um fator dependente do orador.
O orador, cujo carisma se traduz na influencia que consegue ter sobre o público. O público procura fundamentalmente duas coisas da parte do orador: competência e idoneidade. Sem outros meios para o avalir, sobretudo nas primeiras impressões, baseia-se em dados exteriores: autoconfiança, segurança, autodomínio, boa apresentação. Assim, o carisma depende do à-vontade, da escolha dos gestos certos, da tranquilidade, de gestos e palavras seguros, da fluência, do bom aspeto exterior e do domínio dos assuntos.
Por vezes, o orador não é o autor do texto: um ator ou orador profissional poderá ser mais competente na captação do público.
Para ajudar a tudo isto, o orador pode treinar alguma técnicas básicas: colocar a voz, fazer entoações, estudar a cadência do discurso e a musicalidade das palavras, ter uma dicção e uma postura corporal correctas, etc. Estes são aspectos que podem ser manipulados ou aperfeiçoados, ou seja, que podem ser controlados pelo orador. A linguagem corporal permite acentuar ou contextualizar as informações explícitas na mensagem; permite também criar um subtexto que a acompanha — e que pode ser, simplesmente, “podem confiar em mim”.
§  Logos (corresponde à mensagem de R. Jakobson e à função poética da linguagem). Equivale ao texto da mensagem. Equivale ao texto da mensagem. Hoje podemos dizer que também inclui parte do subtexto (a outra parte poderá pertencer ao orador).
O texto (as palavras ditas ou escritas): Aristóteles chama a atenção para a veracidade vou plausibilidade do texto: os factos e os princípios estabelecidos têm uma força de prova muito grande e que deve ser valorizada se o objetivo do discurso for estabelecer a verdade. Deve-se ter também atenção à escolha do vocabulário, de imagens, exemplos e metáforas, à sequenciação das ideias, à escolha dos temas, etc.
O orador pode controlar este grupo de factores; por exemplo, escolhendo as palavras certas para o público certo, evitando palavras que provocam reações de desagrado ou mal-entendidos, etc. Para além de ser necessário dizer a verdade ou ser plausível, codificar uma mensagem é um passo de extrema importância, sendo necessário ter em conta: 1) a intenção do autor; 2) o efeito a ser criado; 3) o público a que se destina.
Também é necessário perceber que um texto pode ter um subtexto, o qual pode ser mais poderoso que aquele. Prevê-lo permite evitar surpresas desagradáveis ou manipular o público com mensagens que podem ser subliminares. Os autores de guiões de televisão ou de romances policiais são mestres em deixar pistas que passam despercebidas mas que nos sugerem acontecimentos na história imediatamente antes de os percebermos: sem que o soubéssemos, fomos induzidos a tirar uma conclusão que imaginamos que se deveu apenas à nossa perspicácia. Pense-se no valor que isto tem para a publicidade!...
§  Pathos (corresponde ao recetor de Jakobson e à função emotiva da linguagem). É um fator dependente dos dois anteriores, como seus condicionantes, mas sobretudo do público.
A receptividade do público é o factor-chave, porque é em função dela que se fazem escolhas para os outros dois grupos de factores: escolhemos o vocabulário, os temas, os exemplos, os gestos, as piadas, etc. É o público que decide se temos sucesso ou não. Por isso, é importante tentar conhecê-lo antes de começar a comunicação.
Conhecer o público significa conhecer a) as suas motivações; b) o seu estado de espírito; c) a linguagem que o público compreende; d) os seus preconceitos e as suas expetativas; e) as normas pelas quais se rege por exemplo, não se contrata uma oradora feminina para discursar perante uma plateia machista); etc.
Não importa ter um discurso muito bom e lógico destinado a uma plateia de indivíduos agressivos, preconceituosos e rudes. Um discurso boçal pode muito bem ser o indicado, por muito que isso nos custe a admitir.
Aristóteles estava atento a este facto e às observações de Platão quando procurou fazer uma distinção:os sofistas procuram estimular emoções para desviar o público de uma deliberação racional, enquanto que os filósofos controla as emoções através do raciocínio que desenvolve com os seus ouvintes — a prioridade é deixar que o conhecimento racional controle a vida.

Aos fatores identificados por Aristóteles, acrescentamos outros que foram sendo identificados pelos investigadores contemporâneos:
§  Objectivos: Não devemos esquecer que um discurso tem um objectivo, o qual pode delimitar as opções do orador. Esse objectivo pode impôr condições que são indiferentes às características do público a partir de determinados limites. As aulas de disciplinas avaliadas através de exames nacionais ou internacionais são um exemplo disso. O mesmo sucede na comunicação dentro de uma força militar, de muitas empresas ou de outras organizações em que o público seja obrigado a apresentar um produto e a respeitar regras. Geralmente, a existência de objectivos institucionais está associado à formação de normas.
A escolha do estilo do texto e do seu conteúdo pode refletir os objetivos do orador: a composição de um texto publicitário e a de um texto científico serão, expectavelmente, diferentes.
§  Contexto/situação: é o conjunto dos diferentes factores ambientais e das pessoas envolvidas. As mesmas pessoas podem comunicar de forma diferente conforme mudem o local, os objectivos, o conjunto das pessoas presentes, o momento, etc. Por exemplo, o facto de se encontrarem no seu local de trabalho obriga o chefe e um funcionário de uma empresa a um determinado tipo de comunicação formal, com objectivos e regras especíificos, que muda quando, ao fim do dia, ambos se encontram na reunião de encarregados de educação da turma dos seus filhos. Nesta segunda situação, falarão de outros temas, assumirão papeis difeentes e desaparecerão as relações hierárquicas que existiam entre eles.
Tal como podemos ver cada um destes como fatores da boa comunicação, também podemos encontrar fatores de ruído associados a cada um. Por ruído entendemos qualquer obstáculo à comunicação, quer se trate de impedimentos, quer se trate de distorções. Assim, uma barreira física é um obstáculo, mas uma barreira linguística ou uma discordância nos motivos também o são.
Alguns importantes erros de comunicação ocorrem na codificação e descodificação da mensagem. Esses erros podem dever-se à falta de conhecimento por parte de qualquer uma das partes envolvidas (orador ou público), mas também podem ser potenciadas por uma má transmissão do sinal (por exemplo, o ruído numa sala onde se profere um discurso), por expectativas divergentes ou por o orador e o público se regerem por diferentes códigos de conduta, de linguagem ou de contextualização.


Tarefas:
1.     Explique a relação entre a retórica dos sofistas e as suas tese acerca da verdade e do conhecimento.
2.     Os sofistas eram relativistas ou subjectivistas? Justifique.
3.     Platão repudiou a retórica sofista. Explique por quê.
4.     Aristóteles reaproveitou a retórica sofista. Explique por quê.
5.     Sugira regras para a utilização da retórica na política e na ciência.
6.     Identifique uma outra área de trabalho em que a retórica deva estar sujeita a regras deontológicas.
7.     A argumentação é uma parte da retórica. Identifique objectivos possíveis da argumentação.
Bibliografia:
Aristóteles, Retórica:
Gibbons, Barry, Comunicar com êxito, Porto Editora, 2007
Henriques, Artur Franco, Comunicar com audiências…, Ed. Presença, 2004
Lakatos, Eva M. e Marconi, Mª de Andrade, Sociologia geral, S. Paulo, Atlas, 1999
Pease, Alan e Pease, Bárbara, Linguagem corporal, Lisboa, Bizâncio, 2009

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Dia Mundial da Filosofia

Na terceira quinta-feira de Novembro comemora-se o Dia Internacional da Filosofia. Fica à espera de novidades. Por enquanto, ainda é segredo. Para já, só  posso fingir que só sei ... que nada sei.


Outubro - Mês Internacional das Bibliotecas escolares




A Biblioteca é o coração de uma escola ou de uma universidade!
 





Livro do Mês - Outubro de 2012


A rocha branca, de Fernando Campos

Editora Objetiva, 2011
246 páginas

 ISBN: 978-989-672-111-4


 

A Rocha Branca é um livro encantador.
Conta-se a história de Safo de Mitilene, uma mítica poetisa que terá vivido na alvorada da civilização grega, que assistirá ao nascimento da civilização europeia. Safo viveu no século VII a.C. em Mitilene, cidade da famosa ilha de Lesbos, em frente à Ásia Menor.
Ao contrário do que se passa nos nossos dias, alguns séculos antes de Cristo, a Grécia era o coração cultural da Europa. Nas ilhas gregas vivia-se um próspero florescimento comercial, baseado nas mercadorias que celebrizaram toda aquela zona do mediterrâneo oriental: os tecidos, perfumes, metais preciosos, vasos de cerâmica, etc.
Foi nesse contexto de abundância que viveu Safo. Escreveu e viveu intensamente.
Na Idade Média, muitos dos poemas de Safo acabaram por desaparecer, destruídos por serem considerados obscenos. Esta obra preciosa de Fernando Campos vem, pois, devolver-nos a imagem da verdadeira Safo. Uma imagem heróica e belíssima.
Personagem encantada, Safo tornou-se um mito. E a essência de um mito encontra-se a meio de uma encruzilhada entre o verdadeiro e o falso, o sagrado e o profano; mais do que uma poesia, a história fez de Safo uma espécie de heroína da mitologia grega.
A sua história encanta-nos, no entanto, pela humanidade; pela forma como viveu uma intensa e pura história de amor. A escrita de Fernando Campos encanta-nos pela beleza com que nos expõe todo o bucolismo da antiguidade clássica. Safo viveu entre a natureza, em comunhão com ela e o seu amor não foi mais de que uma expressão da natureza. Daí também a naturalidade com que se aborda o erotismo, o amor físico.
Ao longo do livro encontramos também interessantes pontos de contacto com a história antiga da democracia ateniense, mais exatamente as reformas de Sólon, assim como belas passagens da vida de Esopo que terá sido, provavelmente, o primeiro escritor de ficção que a humanidade conheceu.
Em conclusão: estamos perante um livro fantástico na melhor aceção do termo. É uma leitura que não desperta qualquer espécie de mistério ou suspense mas que nos deleita numa leitura suave. E é dessa suavidade que advém toda a sua beleza.
Manuel Cardoso in http://aminhaestante.blogspot.pt/2012/01/rocha-branca-fernando-campos.html

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Ensaio: O Estado deve comemorar feriados religiosos?


O estado deve comemorar feriados religiosos?

 Por Patrícia Baronet, 10.º C


Ao longo dos anos Portugal tem-se apresentado efectivamente como um estado católico, onde a fé católica tem-se alastrado entre a população e passado de geração em geração, encontrando, obviamente, pessoas mais resistentes que preferem seguir uma religião diferente de acordo com as suas respectivas crenças. Devido a uma larga maioria seguir o catolicismo, o estado português decidiu comemorar os respectivos dias simbólicos desta mesma religião, mesmo sabendo que “maioria” não significa “um todo”.
Na minha opinião, o estado deveria apresentar-se neutro a qualquer religião, não impondo feriados a quem não segue, neste caso, a fé católica. Ou seja, como obviamente nem toda a população é católica não deveriam ser obrigados a comemorar um feriado que efectivamente não lhes diz nada. Quando política e religião se misturam e o estado opta por ter como referência as crenças de uma certa religião, isso põe em causa o livre-arbítrio da população que não segue “aquela” religião. Nós, seres humanos, somos dotados de racionalidade e livre-arbítrio e a interferência do estado com esse livre-arbítrio não é admissível, ou seja, um indivíduo que não segue a fé católica não deveria ser obrigado a comemorar um feriado, que como já referi anteriormente, não lhe diz nada.
A situação económica em que Portugal se encontra actualmente também não é das melhores para a imposição de feriados religiosos. Países como a Alemanha e França apresentam apenas cinco ou seis feriados anuais, enquanto que Portugal tem perto de dez feriados. Estes países encontram-se com uma economia muito mais desenvolvida que a nossa, pois os feriados têm um prejuízo de cerca de um bilião de euros anuais na economia portuguesa. Os feriados religiosos em Portugal são cerca de quatro ou cinco, se não os comemorássemos reduzíamos o prejuízo para praticamente metade o que ajudaria muito a nossa economia.
Um dos argumentos que o estado usa a favor da comemoração dos feriados católicos é a nossa história de povo proselitista, de grandes divulgadores da fé cristã. O estado deveria analisar cuidadosamente se vale mesmo a pena sermos conhecidos como um estado católico ou como um estado com ânsia de evoluir procurando sempre soluções para melhorar, pois ao fim ao cabo, como foi refutado nos primeiros argumentos, as comemorações religiosas prejudicam-nos socialmente e economicamente.
Concluo este ensaio com a seguinte questão: se há efectivamente pessoas de religiões diferentes e se os feriados religiosos acabam por nos retardar o crescimento económico, por que razão plausível havemos de comemorá-los?

domingo, 17 de junho de 2012

Ensaio: religião e sociedade

Por Inês Leite, 10.º A
Fonte da imagem: http://www.benitopepe.com.br/2010/11/21/religiao-versus-ciencia/


“No princípio, Deus criou os Céus e a Terra “. Para muitos esta frase continua ser a base das suas crenças. Eu, sou uma pessoa que acredita naquilo que vê e na justificação de factos com base no conhecimento humano e científico. Ao longo dos tempos, a Ciência tem vindo a contradizer muitos das verdades inquestionáveis assumidas pela religião.
Vejamos então um exemplo desta situação: Durante muitos anos Copérnico, Galileu ou Kepler mantiveram as suas teorias acerca do sistema solar e o movimento dos planetas, na “gaveta”. Temiam chocar a mentalidade religiosa da sociedade da altura: as teorias contradiziam as verdades reveladas pela Bíblia e ameaçavam a fé. À partida deve ser dada mais importância, existindo uma contradição entre a ciência e a religião, à ciência, mas continuemos a analisar o problema.
Por que razão a Igreja sempre condenou a Ciência? A Ciência sempre teve um elevado potencial para colocar em xeque os mitos e os dogmas da igreja.
Por outro lado, a religião deverá ser um meio de pacificação social, reguladora da conduta humana, uniformizando os valores éticos e morais de uma sociedade. Ao invés, as guerras santas, os tribunais de inquisição, são exemplos de erros cometidos ao longo da história, com a intenção da Igreja provar o seu poder.
A falta de adaptação aos tempos actuais, que a Igreja tem demonstrado, nomeadamente no que diz respeito a temas como a sexualidade, ou ao matrimónio de sacerdotes, tem levado a um afastamento entre a sociedade e a Igreja.
Ao seguir a ciência baseio-me em algo concreto, palpável e suportado por dados, enquanto, se basear as minhas decisões na religião, baseio-me em mitos e em algo abstracto, algo que para se obter uma solução concreta é bastante complicado.
Uma das célebres frases de Karl Marx foi: “ a religião é o opio do povo". Por vezes, a religião é uma idealização das aspirações do povo que não podem ser satisfeitas de imediato. É isso que Marx queria dizer ao chamar a religião de "ópio do povo": ela alivia a dor mas, ao mesmo tempo, torna-nos indolentes, nublando a nossa percepção da realidade e tirando-nos a vontade de mudar.

As instalações BE

A nossa Biblioteca